Publicado por: z. Jan Righi | maio 29, 2010

O Amadurecimento

Hoje, nesta madrugada de sábado, talvez eu esteja querendo escrever um texto que eu tenha certeza que vá ler daqui alguns anos. Dia trinta e um próximo, ao início de uma tarde de maio e, coincidentemente, no horário em que se inicia a tolerância de atraso do meu colégio estarei completando dezessete anos. Não são dezoito, nem vinte e um, simples e puros dezessete anos.

Sei que não vivi toda minha vida, que tudo irá mudar depois da mágica idade que virá a seguir. Penso que será como se eu tomasse uma água e alguém dissesse “Agora você é igual a mim”. O que mais me parece estranho é que não são mais as mudanças físicas que me surpreendem: não importam mais pelos, peitos, músculos, altura. O que realmente importa é o que eu estou sentindo em relação a várias coisas: conversas que não passavam pela minha mente, vontades, gostos… Não sei até onde isso é positivo, ou o lado negativo, apenas tenho a certeza de que já superei o complexo de Peter Pan. Estou ficando sem medo de ficar adulta, de ter que trabalhar, cuidar de pessoas, ligar para a pizzaria.

Um dos maiores descobrimentos foi a minha preferência a determinadas pessoas, mais sérias, concisas, aquelas que me fazem pensar, que me deixam conversar, com quem eu realmente realize um dialogo e não um monólogo.

O sentido das músicas que estão alterando… Não me sinto mais em Burn Out do Green Day,nem em Longview, muito menos em She. Me percebo em Minority, Fashion Victim e não me vejo só em Green Day. Sinto-me agora em uma Condicional, Samba a Dois, Cemetry Gates… Não sinto necessidade de ficar sozinha, como eu tinha. Agora procuro estar com pessoas que interajam comigo, que me sintam, que falem pelos cotovelos daquela música, daquele prédio, do estilo arquitetônico de um ponto da cidade, que me contem sobre fotografias, céu, terra, água e ar.. Pessoas que falem de coisas novas, porque mentes abertas querem expandir, mentes são universos.

A exigência também aumentou, completamente. Preciso de fundos, baixos fortes, detalhes, pianos, cores e tons. Vocais que só são possíveis de notar com o fone de ouvido, alterações de ritmo, suavidade. Suavidade principalmente. Talvez esteja ficando velha… Contudo estou admirando.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: